POB Wiki-Drugs - Psilocybe Cubensis

It's not the first time I've talked about this mushroom in the blockchain, but I can't fail to mention one of the most important tools for connecting with other dimensions here on Pob. The Psilocybe Cubensis mushroom has always been and will always be a mystery. Its vast study in modern science still borders on the iceberg and we don't know where it can actually end up through the advanced study of this substance.


Source

He's in charge
Who out there has had the opportunity to ingest a few grams of Psilocybe Cubensis? It is not uncommon for reports that it is usually the mushroom that is experiencing your human vehicle rather than that you are experiencing it as a psychoactive substance. This happens in so many ways and in such a synaesthetic and inexplicable way that attempts to describe it are rather precarious. In fact, as you can see, the difficulty in describing psychedelic experiences is one of the great challenges of writing and the use of words, which is why entheogenic accounts often border on poetry, not because of the mere whim of the substance user, but because more concrete and scientific terms do not quite capture what we are trying to describe. But before going deeper into these complex issues, let's talk a little bit about this little fungus and what we know about it so far.

Facts
Psiocybe Cubensis was first cataloged by Franklin Sumner Earle, an American mycologist, at that time it was called "Stropharia cubensis", its first scientific name. And look, "Cubensis" why he was found in Cuba! But that doesn't mean that this is a mushroom unique to this region, it is present in numerous parts of the planet and even some studies claim that it is one of the fungi with the longest relationship with man in his journey of advance in the terrestrial conquest. Many name and genetic variations were cataloged later, and little by little it was understood that in different parts of the world, Cubensis takes on different proportions and aspects, but always following the basic rules of identification: Smooth hat normally without roughness, a small veil that when it breaks from the hat becomes like a fine necklace on the mushroom stalk and the most classic indicator, the oxidation of its active principle in contact with air. when it breaks if the stalk or makes a small wound on its body, it is possible to observe with the naked eye a bluish effect on the injured area, this is due to the effect of psilocybin in contact with the air. Like any other mushroom, Cubensis uses spore dispersion through its hat. A simple raindrop hitting it will spray thousands of spore particles that will settle in the already fertile and known ground of that genetic variation and start the new cycle, either now or in two years, after leaving dormancy for unfavorable external factors. The natural terrain of Psilocybe Cubensis is pastures where there are cows, it uses cow feces as substrate for its development. Usually the fungus follows the tropical season of heavy rains and intense heat, the humid phase of summer is its moment of glory.

The relationship with man
Like any other relationship between man and power plants and substances considered sacred, Cubensis has a long history of use by man, in fact longer than we can confirm and understand. As an example, I leave here a classic rock art with more than 9,000 years:
Source

There is a theory (very serious) that our neurological development, mainly speaking in terms of neo-cortex, happened evolutionally through several factors (such as food) but also through the ritualistic and continuous use of some substance that boosted functions until then primitive in us, like speaking, dancing, understanding time, this study can be found in the classic The Food of the Gods, by Terence McKenna. Here, then, it is fitting to enter into what I know about the modern ritualistic use of mushrooms. Without a doubt, its most classic and commented use is that of Maria Sabina, a Mexican healer who opened the doors of power plants to scholars such as Albert Hoffman. She used mushrooms as part of the treatment for the problems that residents of the region where she lived (Oaxaca) had, whether spiritual or physical. As in the vast majority of shamanic traditions, Sabina took the substance along with the "patient" and both "traveled" in search of the answer. This traditional use of Cubensis probably encompassed much of Latin America and only became popular and contemporary/recreational after the 1950s. Along with all the psychedelia boom of the 1960s, its use was widespread and often labeled a dangerous hallucinogenic drug not only for mere speculation without knowledge of part of the population but also because in fact the intense experience of transformation that the mushroom was able to make in users was not a recreational game and could yes lead the person to states of dissociation. It is not rare to find reports of people who, in a moment of intense alteration of the mind, end up taking some very risky or even fatal attitude.

Psilocybin Source

But now it's time to talk about the "magical" substance present in Psilocybe Cubensis. There are actually more than one, but I will focus here on dealing with the main one, Psilocybin. An alkaloid that chemically closely resembles Serotonin (just like DMT, LSD and other substances too). Like a traditional psychedelic, the use of psilocybin has a wide range of effects that make up the almost always transformative experience of the user. From the classic connection with everything and everyone to the dissolution and "death of the ego". The physical sensations of psilocybin's effect begin with mild stomach discomfort after ingestion and then escalate into tingling in the abdomen and lower limbs. From now on, the experience transcends literal limitations and the person experiences a tactile sensation of high sensitivity, intensifying the colors of the environment, every movement or word gains a much greater philosophical and ethical depth, often the greatest desire is to lie down wherever you are, whether on the lawn or in bed and let the ideas flow like a waterfall, in a very vast and complex way. It's not easy to decide if the experience is more intense with your eyes closed or open, sometimes it seems like it doesn't matter or that you're no longer sure if they're closed or open. And it is also important to say that psilocybin researchers usually consider an ideal cubensis experiment in the dark, with the eyes closed and lying down. This way you avoid external distractions and achieve whether unimaginable levels of self-understanding or even an indefinite journey into unknown valleys of your own consciousness. In the absence of fluidity in my explanation of the psychedelic experience, I leave here a video report of an ATHEIST who used psilocybin as he was instructed: 5 grams in total darkness. I strongly advise you to watch.

Source And just to end this article with a little daydream philosophical, I would like to say that I consider Cubensis to be one of the most important and profound entheogens to be known,
not only for its possible millenary contact with man and its already confirmed capacity of potential neurological benefits (neuroplasticity, neurogenesis) but also because I sincerely consider it
o a kind of mechanism of direct contact with some little-known layer of ourselves and also with a kind of non-human energy present in this molecule that give the distinct impression of experiencing the human experience through the eyes of the mushroom itself (if that's what it does sense), or maybe it's an alien tool,
I do not know! What I do know is that the experience as a whole is very powerful and amazing, and so amazing is to step out of the experience and feel the common lucidity returning and you can settle back into the human body again, full of gratitude for having experienced such emotions and sensations. complex and intriguing.

Source
The human brain during the height of a psychedelic experience with psilocybin generates an immensely greater amount of connections and works on parts of the brain that are not activated for example in placebo or at any random moment

Previous Articles POB Wiki-Drugs -Salvia Divinorum

.

Thomas H N Blum

Divider plant.jpg

Não é a primeira vez que falo deste cogumelo na blockchain, mas, não posso deixar de falar de uma das ferramentas mais importantes de conexão com as outras dimensões aqui no Pob. O cogumelo P Cubensis sempre foi e sempre será um mistério. Seu estudo vasto na ciência moderna ainda beira o topo de iceberg e não sabemos onde realmente pode se ir parar através do estudo avançado dessa substância.


Source

É ele quem está comandando

Quem aí já teve a oportunidade de ingerir algumas gramas de Psilocybe Cubensis? Não é raro os relatos de que normalmente é o cogumelo que está experimentando seu veículo humano ao invés de você estar experimentando-o como uma substância psicoativa. Isso se dá de tantas maneiras e de uma forma tão sinestésica e inexplicável que as tentativas de descreve-la ficam bastante precárias. Aliás, como podem ver, a dificuldade em descrever experiências psicodélicas é um dos grandes desafios da escrita e do uso das palavras, por isso muitas vezes, os relatos enteógenos beiram a poesia, não por mero capricho do utilizador da substância, mas sim por que termos mais concretos e científicos não conseguem captar muito bem o que tentamos descrever. Mas antes de entrar mais fundo nessas questões complexas, vamos falar um pouco sobre este pequeno fungo e o que sabemos dele até agora.

Fatos

Psiocybe Cubensis foi catalogado pela primeira vez por Franklin Sumner Earle, um micologista americano, naquela época fora chamado de "Stropharia cubensis", seu primeiro nome científico. E vejam só, "Cubensis" por que ele foi encontrado em Cuba! Mas isso não quer dizer que este é um cogumelo unicamente dessa região, ele está presente em inúmeros pontos do planeta e inclusive alguns estudos afirmam que é um dos fungos de mais longa relação com o homem em sua jornada de avanço na conquista terrestre. Muitas variações de nome e de genéticas foram catalogadas depois, e pouco a pouco compreendeu-se que em diferentes partes do mundo, o Cubensis toma diferentes proporções e aspectos, mas sempre seguindo as regras básicas de identificação do mesmo: Chapéu liso normalmente sem rugosidades, um pequeno véu que quando rompe-se do chapéu fica como um fino colar no talo do cogumelo e o mais clássico indicador, a oxidação do seu princípio ativo em contato com o ar. Quando quebra-se o talo ou faz um pequeno machucado em seu corpo é possível observar a olho nu um efeito de azulamento no local ferido, isso se dá pelo efeito da psilocibina em contato com o ar.

Tal qual qualquer outro cogumelo, o Cubensis utiliza-se da dispersão de esporos através de seu chapéu. Uma simples gota de chuva batendo nele fará a pulverização de milhares de partículas de esporos que irão assentar-se no terreno já fértil e conhecido daquela variação genética e iniciar o novo ciclo, seja agora ou seja daqui dois anos, depois de sair da dormência por fatores externos desfavoráveis. O terreno natural do Psilocybe Cubensis são os pastos onde existem vacas, ele utiliza-se das fezes das vacas como substrato para seu desenvolvimento. Normalmente o fungo segue a temporada tropical de chuvas fortes e calores intensos, a fase úmida do verão é o seu momento de glória.

A relação com o homem

Como qualquer outra relação do homem com plantas de poder e substâncias consideradas sagradas, o Cubensis tem longa data de utilização pelo homem, na verdade mais longa do que poderemos confirmar e compreender. A exemplo disso, deixo aqui uma arte rupestre clássica com mais de 9 mil anos:


Source

Existe uma teoria (bastante séria) de que o nosso desenvolvimento neurológico principalmente falando em termos de néo-cortex se deu evolutivamente através de vários fatores (como a alimentação) mas também através do uso ritualistico e contínuo de alguma substância que impulsionasse funções até então primitivas em nós, tal como a fala, a dança, a compreensão de tempo, esse estudo pode ser encontrado no clássico O Alimento dos Deuses, de Terence McKenna. Aqui cabe então entrar no que sei sobre o uso ritualistico moderno dos cogumelos. Sem dúvidas seu uso mais clássico e comentado é o de Maria Sabina, uma curandeira mexicana que abriu as portes das plantas de poder para estudiosos como Albert Hoffman. Ela fazia uso dos cogumelos como parte do tratamento para os problemas que os moradores da região onde vivia (Oaxaca) tinham, seja de cunho espiritual ou físico. Tal como na grande maioria das tradições xamânicas, Sabina tomava a substância junto com o "paciente" e ambos "viajavam" em busca da resposta. Esse uso tradicional do Cubensis provavelmente abarcou grande parte da America Latina e só tornou-se popular e contemporâneo/recreativo depois dos anos 50.
Junto com todo o "boom" da psicodelia dos anos 60, seu uso foi disseminado e muitas vezes taxado de droga alucinógena perigosa não só por mera especulação sem conhecimento de parte da população mas também por que de fato a experiência intensa de transformação que o cogumelo era capaz de fazer nos utilizadores não era uma brincadeira recreativa e poderia sim levar a pessoa a estados de dissociação da realidade bastante severos. Não raro encontramos relatos de pessoas que em momento de intensa alteração da mente acaba por tomar alguma atitude arriscadíssima ou até fatal.

A Psilocibina
Source

Mas agora é hora de falar da substância "mágica" presente no Psilocybe Cubensis. Na verdade são mais de uma, mas focarei aqui em tratar da principal delas, a Psilocibina. Um alcaloide que quimicamente se assemelha muito à Serotonina (tal qual o DMT, O LSD e outras substâncias também). Tal qual um psicodélico tradicional, o uso da psilocibina tem uma vasta gama de efeitos que compõe a experiência quase sempre transformadora de quem a utiliza. Desde a clássica conexão com tudo e com todos até a dissolução e "morte do ego". As sensações físicas do efeito da psilocibina começam com um leve desconforto estomacal após a ingestão e depois transformam-se num formigamento abdominal e dos membros inferiores. Daqui pra frente a experiência transcende as limitações literais e a pessoa experimenta sensação tátil de alta sensibilidade, intensificação das cores do ambiente, todo movimento ou palavra ganham uma profundidade filosófica e ética muito maior, muitas vezes o desejo maior é de deitar-se onde estiver, seja no gramado ou na cama e deixar as ideias fluírem como uma cascata, de uma forma muito vasta e complexa. Não é fácil concluir se a experiência é mais intensa de olhos fechados ou abertos, as vezes parecendo que tanto faz ou que você já não tem mais certeza se estão fechados ou abertos. E é importante inclusive dizer que os pesquisadores da psilocibina costumam considerar como ideal uma experiência de cubensis no escuro, com os olhos fechados e deitado. Assim evita-se distrações externas e alcança-se níveis inimagináveis de auto compreensão ou mesmo uma viagem indefinida para vales desconhecidos de sua própria consciência. Na falta de fluidez na minha explicação sobre a experiência psicodélica, deixo aqui um relato em vídeo de um ATEU que fez uso da psilocibina tal qual lhe foi indicado: 5 Gramas no escuro total. Aconselho fortemente que assistam.


Source

E só para terminar este artigo com um pequeno devaneio filosófico, gostaria de dizer que considero o Cubensis como um dos enteógenos mais importantes e profundos a se conhecer, não só pelo seu possível contato milenar com o homem e a sua capacidade já confirmada de potenciais benefícios neurológicos (neuroplasticidade, neurogenese) mas também por que sinceramente considero-o uma espécie de mecanismo de contato direto com alguma camada pouco conhecida de nós mesmos e ainda com uma espécie de energia não humana presente nessa molécula que dão a nítida impressão de estar vivenciando a experiência humana pelos olhos do próprio cogumelo (se é que isso faz sentido), ou quem sabe seja uma ferramenta alienígena, sei lá! O que sei é que a experiência por um todo é muito poderosa e incrível, e tão incrível é sair da experiência e sentir a lucidez comum voltando e você podendo acomodar-se no corpo humano novamente, repleto de gratidão por ter experienciado emoções e sensações tão complexas e intrigantes.


Source
O cérebro humano durante o ápice de uma experiência psicodélica com psilocibina gera uma quantidade de conexões imensamente maior e trabalha partes do cérebro que não são ativadas por exemplo no placebo ou em um momento aleatório qualquer

Artigos anteriores
POB Wiki-Drugs - Salvia Divinorum

Thomas H N Blum


Posted via proofofbrain.io



0
0
0.000
2 comments
avatar

Congratulations @thomashnblum! You have completed the following achievement on the Hive blockchain and have been rewarded with new badge(s) :

You distributed more than 1500 upvotes.
Your next target is to reach 1750 upvotes.

You can view your badges on your board and compare yourself to others in the Ranking
If you no longer want to receive notifications, reply to this comment with the word STOP

Check out the last post from @hivebuzz:

Feedback from the June 1st Hive Power Up Day
Support the HiveBuzz project. Vote for our proposal!
0
0
0.000